Seminário

Justificativa

O Ensino da História da Cultura Afro-Brasileira na Educação Básica e no Ensino Superior são fundamentais, pois trazem a ampliação dos saberes e fazeres sobre a Trajetória do Negro na Produção da Literatura Brasileira, sua Contribuição à Arte Brasileira e Mundial, bem como a Produção do Conhecimento Científico e os movimentos intelectuais negros.

Nessa perspectiva, é imprescindível fomentar debates sobre o Currículo, a Formação de Professores e a produção de material acadêmico e didático que tragam para o contexto acadêmico discussões que submerjam também as políticas sociais, discutam as ações afirmativas e a lei 10.639/03, não só como  inserção da cultura afro-brasileira, mas engendrada na formação da identidade do povo brasileiro e na superação de atitudes discriminatórias e preconceituosas que envolvem o homem e/ou a mulher negra .

Objetivo

Reconhecer e valorizar o legado histórico dos africanos e afro-brasileiros ressaltando a sua contribuição para a construção da sociedade brasileira.

 

Objetivos específicos

Valorizar a diversidade étnico-racial brasileira,

Promover o combate ao racismo e as atitudes preconceituosas.

Analisar estratégias pedagógicas de valorização da diversidade, a fim de superar a desigualdade étnico-racial presente na educação escolar brasileira, nos diferentes níveis de ensino;

Reconhecer a necessidade de “valorizar, divulgar e respeitar os processos históricos de resistência negra desencadeados pelos africanos escravizados no Brasil e por seus descendentes na contemporaneidade, desde as formas individuais até as coletivas”.

Adquirir conhecimento acerca da cultura afro-brasileira a partir do reconhecimento da memória artística, literária e científica da população negra.

Colaborar com o aperfeiçoamento do ensino das relações étnico-raciais a partir da construção do pensamento filosófico, literário e artístico afro-brasileiro.

 

Conteúdos

  • Cultura negra e suas representações;
  • A Memória do Negro na Arte;
  • Literatura e produção acadêmica;
  • Violência de gênero;
  • Conceição Evaristo e suas obras;
  • Combate ao racismo.

Metodologia

  • Debates e palestras sobre a cultura negra, diversidade e inclusão;
  • Apresentação da peça O diário de Bitita (A Vida de Carolina de Jesus);
  • Uma análise sobre violência de gênero em relação à mulher negra – O caso Marielle Franco;
  • Oficinas de capoeira e temas diversos que envolvem a cultura negra.

 

Cronograma

 

De 19 a 21 de novembro

LOCAL: Faculdade Zumbi dos Palmares

Endereço: Av. Santos Dumont, 843 – Bom Retiro, São Paulo – SP, 01101-000

Telefone (11) 3325-1000 – Ramal 135/138

Data: 21/11/2018

Sala: 28 (4º andar)

Horário: 16h00

 

Encerramento

Peça teatral: O diário de Bitita (A Vida de Carolina de Jesus) – Confirmado

Data e horário: 21/11

Local: Anfiteatro

Horário: 20h30

Componentes:

Andréia Ribeiro (RJ)

Gabriela Buono Calainho (RJ)

Ramon Botelho (RJ)

Paulo Cesar Medeiros (RJ)

 

Público-alvo

Professores de Educação Infantil e Ensino Fundamental, Professores de Educação Infantil, Professores de Ensino Fundamental e Médio, Coordenadores Pedagógicos, Diretores e Supervisores e público em geral.

 

Inscrição

As inscrições para professores do município de SP serão realizadas a partir da publicação no Diário Oficial por meio do link:

https://drive.google.com/open?id=15WjC1nFp3Z1YdqkTiV_QM6LlRjB6_Mslxg6-En1rInk

As 200 vagas serão preenchidas por ordem de inscrição via link.

As inscrições para o publico em geral e demais interessados pode ser realizada aqui.

 

Certificação

Fará jus ao certificado o participante que obtiver 100% de frequência.

 

Bibliografia

ASSMANN, Hugo; SUNG, Jung Mo. Competência e sensibilidade solidária: educar para a esperança. 4. ed. Petrópolis/RJ: Editora Vozes, 2000.

BARBOSA, A. M. (Org.) Inquietações e mudanças no Ensino da Arte. São Paulo: Cortez, 2003.

BICUDO, M. A. V. Fenomenologia: confrontos e avanços. São Paulo: Cortez, 2000.

BARBOSA, Nelma Cristina. Discursos Identitários Negros na Arte Contemporânea: O Mercado E O Sujeito Da Arte Afrobrasileira. Trabalho apresentado no III Congresso Baiano de Pesquisadoras Negras – GT Literatura, Artes e Performances Negras. 2013.

BECHARA FILHO, Gabriel. A Construção do Campo Artístico na Bahia e Paraíba (1930-1959). Salvador, 2007.

BENTO, Maria Aparecida Silva; CARONE, Iray (orgs.). Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Tolerância. São Paulo: Paz e Terra, 2013.

FREITAS, M. M. de. Reino Negro de Palmares. 2. ed. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 1988.

HOFBAUER, Andreas. Uma história do branqueamento ou o negro em questão. São Paulo: Editora UNESP, 2006.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. 2. ed. Trad. Marta Lança. Lisboa/Portugal: Antígona, 2014.

MORIN, Edgar. O enigma do homem. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

MOURA, C. Brasil: raízes do protesto negro. São Paulo: Global, 1983.

MUNANGA, Kabengelê. Negritude: usos e sentidos. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

_____________. Arte Afro-Brasileira: O que é afinal? In: AGUILAR, Nelson (org). Mostra do Descobrimento: Arte Afro-brasileira. São Paulo: Associação Brasil 500 Anos Artes Visuais, 2000.

NASCIMENTO, Elisa Larkin. O Sortilégio da Cor: identidade, raça e gênero no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2003.

NKOGO, Eugenio. Síntesis Sistemática de La Filosofía Africana. Barcelona, 2006.

OLIVEIRA, David Eduardo de. Filosofia da ancestralidade: corpo e mito na filosofia da educação brasileira. Curitiba: Editora Gráfica Popular, 2007.

______. Cosmovisão africana no Brasil: elementos para uma filosofia afrodescendente. Curitiba: Editora Gráfica Popular, 2006.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento e silêncio. Rio de Janeiro, v. 2, nº 3, 1989, Fundação Getúlio Vargas.

SCHWARCZ, Lilia Moritiz. O Espetáculo das Raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.