Escritores brasileiros e de outros países são os protagonistas da 6ª Festa do Conhecimento, Literatura e Cultura Negra que acontece em São Paulo

Reflexões sobre o papel da mulher negra na literatura, os dilemas e desafios da ABL de Machado a Conceição, a atualidade de Carolina Maria de Jesus, são alguns temas que serão debatidos na FLINKSAMPA, que este ano homenageia a escritora, poeta e ensaísta mineira Conceição Evaristo, recentemente preterida pela Academia Brasileira de Letras em favor do cineasta Cacá Diegues.

Um dos pontos altos da VIRADA DA CONSCIÊNCIA, que vai transformar São Paulo na Capital da Cultura Negra entre 18 e 21 de novembro, a FLINK terá lançamentos de livros, saraus e uma seção dedicada à literatura infanto-juvenil, a FLINKINHA, além de rodas de conversa.

Entre os escritores que participam da FLINK estão Paulo Lins, Renato Noguera, Guiomar de Grammont, Giovani Martins, Cristiane Sobral, Paulina Chiziane (Moçambique), Teresa Cárdenas e Giorgina Herrera (Cuba), Vera Duarte Pina (Cabo Verde), António Quino (Angola), António Francisco Luís do Carmo Neto (Angola) e Shirley Campbell (Costa Rica).

No programa, palestras sobre o empoderamento da população negra, inclusão no mercado de trabalho, violência e exploração sexual, que terão lugar no campus da Faculdade Zumbi dos Palmares, onde também acontecerão desfiles de moda, oficinas de beleza, shows e concurso de samba rock.

Ainda dentro da FLINKSAMPA haverá a entrega do prêmio internacional Agostinho Neto, que distingue trabalhos de pesquisadores angolanos e brasileiros sobre Agostinho Neto, a diáspora e afrodescendentes, que contribuem para o melhor compreensão da história de Angola, do Brasil e África. Promovida pela Fundação Dr. António Agostinho Neto e pela Faculdade Zumbi dos Palmares, a premiação Agostinho Neto acontece a cada dois anos.

Vídeos sobre a condição do negro no Brasil realizados por estudantes das escolas públicas, do SESI e da Fundação Bradesco compõem o acervo do festival AFROMINUTO que premiará os melhores trabalhos durante a FLINK. No campus da Zumbi também terá lugar o VII SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO, que neste ano vai tratar, entre outros aspectos, da capacitação dos professores da rede pública para ensinar a história e cultura africana e afro-brasileira e assim cumprir a lei 10.639, que desde 2003 não saiu do papel.