Uma forma de mostrar às crianças negras que elas também podem ser protagonistas de histórias de fadas nas quais há príncipes, princesas, heróis e vilões: foi isto que levou Veralindá Menezes a escrever narrativas infanto-juvenis inspiradoras.

Segundo a autora, os contos de fada tradicionais, sempre tendo brancos como protagonistas, impedem que as crianças negras se reconheçam e isso pode fazer com que elas cresçam sem autoestima.

Durante a FlinkSampa, no sábado (18), Veralindá pretende abordar esse assunto na Oficina para Professores chamada “A Influência dos Heróis e dos Contos de Fadas na Formação de Seres Humanos Livres de Preconceito”.

Sua intenção é justamente preparar os educadores para que saibam passar adiante, para os pequenos, as noções de igualdade e respeito mútuo que devem permear todas as relações desde cedo.