O VI Seminário Internacional que está ocorrendo durante a FlinkSampa e que tem discutido caminhos para uma educação inclusiva, contou na quinta-feira (17), com a presença da professora Dulce Maria Pereira, da UFOP (Universidade Federal de Ouro Preto).

Em uma mesa da qual participaram também os professores Joseph Jones, Sônia Guimarães, Caroline Jango e Valquíria Tenório; Dulce Pereira discorreu sobre o tema relacionado ao ambiente acadêmico.

Para ela, a educação que se pretende inclusiva precisa absorver as questões de gênero e raça e não pode reproduzir as visões limitadas e racistas que são, geralmente, propagadas há tempos. Citando a visão que se tem do continente africano _ um ponto de vista que, em geral, foi elaborado por não africanos _ a professora lembrou que é preciso um esforço coletivo para que a África seja percebida a partir do ponto de vista dos povos que lá residem.

Ao falar sobre a educação brasileira, Dulce também lembrou que existem muitos interesses econômicos que interferem na qualidade da educação, em todos os níveis, que se pratica hoje no Brasil.

Apesar disso, ela destacou que são as alianças nacionais e internacionais que estão sendo construídas entre educadores, que vão mudar o cenário educacional e que tornarão, de fato, a educação mais inclusiva.

Este slideshow necessita de JavaScript.

**Por: Tatyer Comunicação