Além de político, Jorge Carlos Fonseca é escritor, jurista, ensaísta e colaborador de várias publicações literárias.

O presidente da República de Cabo-Verde, Jorge Carlos Fonseca, que estará no Brasil em novembro para participar da 5ª edição da FlinkSampa, tem uma trajetória profissional que transcende a política, embora esta tenha sido sempre sua principal área de atuação. Na FlinkSampa 2017 Fonseca participará do debate “Literatura em Vozes Polifônicas”, que ocorrerá no dia 18 de novembro, e também lançará seu mais livro mais recente: “O Albergue Espanhol”.

Durante a adolescência, Fonseca já militava pela independência de seu país e na década de 1980 participou da fundação dos Círculos Cabo-verdianos para a Democracia e da Liga Cabo-verdiana dos Direitos Humanos.

Já na década de 1990, ele participaria da elaboração da Constituição de Cabo Verde e seria autor de diversos projetos entre os quais estão o Código Penal e a Lei de Apoio às Vítimas de Crimes Violentos.

Na década seguinte (2001) Fonseca também coordenaria o “Estudo sobre o Estado da Justiça em Cabo Verde”. Por sua constante atuação em atividades e projetos governamentais, ele é considerado um dos fundadores da ‘Segunda República’ de seu país.

Politicamente, Jorge Carlos Fonseca já está sem seu segundo mandato como presidente e em ambas as disputas _ em 2011 e 2016 _ foi apoiado pelo partido ‘Movimento para a Democracia’ (MpD).

O multifacetado Fonseca também exerce atividades intensas na área da escrita, pois fundou a revista «Direito e Cidadania»,é colaborador regular da Revista Portuguesa de Ciências Criminais, membro do conselho editorial da Revista de Economia e Direito (editada em Portugal) e ainda possui uma vasta produção literária em poesia e prosa; tem livros publicados em ambas as narrativas, figura em antologias literárias em vários países de língua portuguesa e é colaborador eventual de diversas publicações nacionais e estrangeiras.